sábado, 8 de setembro de 2007

Keith Moon!


Há Vinte e nove anos ele ia para o "andar" de cima...

A importância musical do grupo The Who não foi a mesma após a morte de Keith Moon. O grupo The Who surgiu na década de 60, em Londres. Sua formação original era composta por Roger Daltrey, (vocal), John Entwistle (baixo), Peter Townshend (guitarra)e Keith Moon (bateria).

Em 1965, com o primeiro hit "I Can't Explain", o conjunto foi contratado pela gravadora Decca. O disco "My Genearation" foi lançado no mesmo ano e chegou ao 2º lugar na Inglaterra.

A canção My Generation com a frase: "I hope I die before I get older", ficou conhecida como o "hino" da geração "Mod", que era caracterizada na Inglaterra dos anos 60, por rapazes da classe média que gastavam dinheiro com roupas de grife e escutavam blues americano.

A mensagem principal do conjunto foi enaltecer amores, criar um pensamento reflexivo e revoltado da juventude dos anos 70 e 80. Com o próximo trabalho da banda, "A Quick One", os músicos conquistaram muitos fãs por misturar rock e ópera. Mas eles ainda não eram conhecidos fora da Europa.

O sucesso internacional apareceu com o disco duplo "Tommy", que transformou os músicos em verdadeiros "rock stars", com a ajuda da imprensa que os elegeu uma das melhores promessas do rock/pop da época.

O reconhecimento musical do the Who estava consolidado. A participação dos artistas no evento "Woodstock", ocorrido em 1969 nos Estados Unidos, os firmou no mercado americano.

Em 1970 , veio o disco "Live at Leeds", seguido pelo trabalho "Who's Next". Após dois anos de excursões internacionais e entrevistas, chega o "Quadrophenia", de 1973.

"Who By Numbers", de 1975, foi lançado em uma época na qual o The Who já era considerada a banda de rock mais alta do mundo, em suas apresentações ao vivo. O disco "Who Are You" foi o último no qual o baterista Keith Moon participou.

Mas quem era mesmo este tal Keith Moon...

Nascido no dia 23 de agosto de 1947 em Londres, ele foi para muitos fãs e críticos de música, a "alma" do the Who. Moon destruiu em sua vida, mais baterias do que a maioria dos músicos tem a oportunidade de tocar. Sua forma "selvagem" de atacar o instrumento, fez com que ele fosse considerado um dos melhores bateristas do mundo na história do rock e um dos mais fascinantes de se escutar.

Seu jeito de tocar fugia da forma convencional e seu talento foram perpetuados através de canções como "The Ox" (1965), "I Can See For Miles" (1967) and "Won't Get Fooled Again" (1971) , como também aconteceu com suas composições mais marcantes dentro do conjunto, como "I Need You", "Waspman", "Cobwebs And Strange" e Tommy's Holiday Camp".

Paralelamente ao sucesso do grupo, Moon enfrentava constante problemas financeiros. Em muitas cidades americanas, a destruição dos hotéis gerava um "convite"’ para sair do estado.

Seu jeito lunático, selvagem, maníaco e espontâneo o transformou em um ícone, representante de uma vida marcada pela bebida excessiva, festas e outras características que provavelmente representaram a mente da juventude e também a característica mais fiel do rock and roll daquela época.

Nesse sentido, ele era muito mais do que um simples integrante do The Who, mais do que a mente de Townshend, ou o coração de Roger Daltrew, ele se destacava no conjunto de uma forma completamente especial.

A importância de Moon para a música era similar à de Brian Jones para o Rolling Stones. Jones com o seu talento e com o abuso dele, conseguiu através de seu dom e de sua personalidade "única", levantar os Stones. Keith fez o mesmo com o The Who, pois acima do nível de outros bateristas que eram influenciados pelo blues, ele fez de sua imagem e do seu jeito exclusivo de tocar, uma distinção.

Quando Jones deixou os Stones para morrer algumas semanas depois, o grupo continuou fazendo sucesso, mas não era mais a mesma banda, a "mágica" já havia sido perdida. Quando Moon deixou de fazer parte do The Who, essa química que funcionava tão bem na composição e apresentação ao vivo dos artistas, jamais conseguiu ser a mesma sem ele.

Ele participou ocasionalmente dos discos de outras pessoas, mas só teve um álbum solo de sua autoria, chamado "Two Sides of the Moon". O trabalho não foi levado muito à sério naquela época, mas recentemente a gravadora demonstra ter captado a "essência" da natureza e da musicalidade de Keith Moon. Ele revelou no seu trabalho, um "mix" de inocência dos anos 60 com a rebeldia de uma juventude que sempre tinha algo de novo e importante a dizer, no qual as músicas falam por si.

Ele faleceu no dia 7 de setembro de 1978, por conta do uso abusivo de remédios para dormir. Nesse período, ele tentava se recuperar do alcoolismo através de tratamento específico.

A banda não se dissolveu com a morte de Moon e o disco "The Kids Are Allright", apresentava o novo baterista Kenney Jones, ao mundo.

Mas isso é outra história...

Postar um comentário